terça-feira, 7 de março de 2017

Entendendo o Kosovo

Não espanta que o país mais novo da Europa fique nos Bálcãs, uma região famosa pelos conflitos políticos, militares, econômicos, étnicos, religiosos... Tudo contribui para que que seja difícil entender a história e a geografia deste novo país (aqueles que dizem que "o Brasil não é para principiantes" não devem conhecer os Bálcãs e certamente não andaram visitando o Kosovo).
17 de fevereiro de 2017,
9º aniversário da declaração de independência do Kosovo
Bem, nós visitamos. E, ansiosos por conhecer o ponto de vista deles, perguntamos a um kosovar se ele nos recomendava algum livro a respeito. Recebemos a indicação de "Kosovo: a short history", de Noel Malcolm. Porém, acabamos nos assustando ao descobrir que o livro tinha quase 500 páginas de letras pequenas - se a short history é grande assim, imaginem a versão longa! Enfim, já sabíamos, o tema é mesmo complexo. (No final, acabamos comprando outro livro sobre o Kosovo, quase do mesmo tamanho mas englobando aspectos de geografia e economia, além de "The Balkans: nationalism, war and the great powers", de Misha Glenny, jornalista que, depois de cobrir a queda do comunismo na Europa e as guerras da Iugoslávia, sintetizou a história balcânica em "apenas" 800 páginas).
Na época da Iugoslávia, dizia-se que o país tinha 7 fronteiras, 6 repúblicas, 5 nações, 4 línguas, 3 religiões, 2 alfabetos e 1 dinar (a moeda). Uma mistura, convenhamos, de fazer corar qualquer pretensa diversidade de outros países. Pois bem, o problema do Kosovo é que, embora fizesse parte da Iugoslávia, ele não estava representado nesta anedota (e nem em outros aspectos do país). Iugoslávia significa, literalmente, o "país dos eslavos do sul" (bósnios, croatas, eslovenos, macedônios, montenegrinos e sérvios, todos povos de origem eslava). Já o Kosovo é uma região de população em grande parte albanesa (não-eslava), que fala uma língua completamente diferente das demais. Note-se que é, mais uma vez, uma situação bem diferente do Brasil: para nós, a noção de nacionalidade está ligada basicamente à porção de terra em que se nasce, mas, nesses lugares de fronteiras frágeis e cambiantes, o sentimento de nacionalidade está ligado à família e aos laços étnicos (cultura, língua, religião); o local de nascimento é quase irrelevante. Assim, na maioria dos casos, um kosovar é um albanês em quase todos os aspectos e, andando pelo país, vê-se tantas bandeiras albanesas quanto kosovares.
Durante a existência da Iugoslávia, pode-se dizer que havia uma convivência relativamente pacífica entre as diferentes etnias; com o esfacelamento do país, cada uma das antigas repúblicas (eslavas) foi se separando, em geral à custa de sangue. O território do Kosovo era reclamado pela Sérvia por razões históricas (aquelas foram terras eslavas durante períodos que os sérvios consideram relevantes, e importantes igrejas sérvias se encontram lá), embora a maioria da população fosse kosovar-albanesa.
E aí o xis da questão: culturalmente, os kosovares têm muito mais em comum com os albaneses que com o restante dos ex-iugoslavos. Assim, o Kosovo lutou e conseguiu sua independência - não sem derramar sangue. Porém, é uma soberania relativa: a Sérvia não aceita a independência e continua reclamando seu direito sobre o território. É apoiada pela Rússia, que por sua vez é seguida pelos demais BRICs (incluindo o Brasil) e por alguns outros aliados. Do outro lado, o grande apoiador do Kosovo é os Estados Unidos, que vêm na história toda uma oportunidade de uma base de influência naquela região de confluência entre a Europa e a Ásia. Como os Estados Unidos, naturalmente, são ladeados por países do bloco ocidental (particularmente os da OTAN), pronto: tem-se uma reedição em miniatura da Guerra Fria.
Na prática, ao caminhar pelo Kosovo, não se vê marcas de guerra tão intensas quanto as que ainda estão presentes na Bósnia; por outro lado, vê-se muitos prédios abandonados, em ruínas; vê-se a desconfiança mútua entre sérvios e albaneses (igrejas e bolsões sérvios são cercados e protegidos pela polícia); e vê-se um país que está claramente começando a engatinhar na experiência da independência. Como criança recém-nascida, a precariedade da sua condição e a necessidade de ajuda externa são gritantes. Há muita sujeira nas ruas. E, no entanto, há um orgulho contido, uma vontade de crescer e uma cultura definitivamente rica.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Guia Puffin de Gastronomia 2017

Mais um ano se passou e aqui está ele novamente: o Guia Puffin de Gastronomia! Neste começo de 2017, o Guia Puffin chega à terceira edição, sempre com o mesmo nobre objetivo de listar os melhores restaurantes do ano anterior. 2016 foi movimentado em todos os sentidos - inclusive o gastronômico! E é sempre um prazer para mim e para a Renata relembrarmos algumas das refeições mais especiais que tivemos. A propósito, ela é vegetariana, então quem não come carne pode ficar tranquilo que todos os restaurantes listados aqui atendem às exigências de vegetarianos, carnívoros e onívoros!
Foi mantido o critério de deixar de fora os restaurantes que apareceram nas edições anteriores (2015 e 2016) para, assim destacar as novas descobertas. Também como nos outros anos, o Guia Puffin de Gastronomia distribuiu entre uma e três enguias para os estabelecimentos que proporcionaram as mais excepcionais experiências gastronômicas - não só a comida, mas também o atendimento, o ambiente, enfim, a experiência completa. Desta vez, dois restaurantes tiveram o privilégio de se juntar a OlympeLe Louis XV e Maaemo no seleto grupo dos agraciados com três enguias.
Enfim, rufem os tambores que aqui está ele: o novo Guia Puffin de Gastronomia!

Riso Bistrô, Rio de Janeiro - 1 enguia
Cozinha: João Paulo Frankenfeld
O restaurante tem mesas num pátio interno tranquilo e aconchegante que, de cara, impressiona pela beleza. Como o nome sugere, há risotos, mas o cardápio se expandiu e hoje vai bastante além dos pratos com arroz. Perfeito para um jantar romântico com um leve toque de sofisticação, o Riso Bistrô é daqueles endereços que deixam a gente a vontade de voltar mais uma vez.

Tamboril, Brumadinho - 1 enguia
Cozinha: Dailde Marinho
Tamboril é o nome de uma árvore, de um peixe e também de um dos restaurantes localizados dentro do parque-museu de Inhotim. Este, por si só, já vale a visita e faz com que o ambiente da refeição seja dos mais agradáveis. Além disso, sendo um buffet livre, o Tamborim mostra que nosso guia é eclético, com restaurantes que vão do "sirva-se você mesmo" ao menu degustação. Mas não é só isso, a comida é boa, variada e farta. Ou seja, vale a pena!

Koks, Kirkjubøur - 2 enguias
Cozinha: Paul Andrias Ziska
É, sem dúvida, o restaurante de localização mais espetacular que já visitamos. O ambiente tem janelas amplas que aproveitam o melhor da paisagem das Ilhas Faroe, e o sofisticado menu também é claramente faroês, ou seja, bastante peixe, frutos do mar e carneiro. A pouca variedade de vegetais das ilhas poderia ser um problema para o menu vegetariano, coisa que o restaurante contornou com bastante criatividade, exceto por um pecado capital: o menu vegetariano tem um prato a menos que o menu regular. Isso certamente custou ao Koks uma enguia na avaliação final, mas não desmerece as suas outras qualidades, que incluem uma saborosa harmonização do menu com sucos.

Trindade, Belo Horizonte - 2 enguias
Cozinha: Fred Trindade
O restaurante tem um clima de bar que combina com Belo Horizonte. Mas não se enganem: é um "bar" primoroso, na verdade um restaurante que sabe recriar clássicos mineiros e apresentá-los de forma elegante e saborosa sem ser pedante. Aliás, convenhamos: quem pega a fina flor da cozinha mineira e consegue melhorá-la ainda mais merece crédito!

Floriano Spiess, Porto Alegre - 2 enguias
Cozinha: Floriano Spiess
O restaurante une referências internacionais, especialmente asiáticas, com ingredientes do sul do Brasil. E a aparente mistura, executada com maestria, funciona muito bem. Além disso, toda a seleção do menu teve um cuidado e um carinho dignos de nota. Embora o próprio Floriano Spiess não estivesse lá na noite em que visitamos seu restaurante, fomos recebidos pelo chef executivo que nos apresentou cada prato e ao final ainda reservou um tempo para conversar conosco, o que valorizou ainda mais a noite.

Oro Restaurante, Rio de Janeiro - 2 enguias
Cozinha: Felipe Bronze
Felipe Bronze e o Oro dispensam apresentações. E, após a visita, podemos dizer que a fama é merecida. É visível o cuidado com os detalhes para fazer uma cozinha de vanguarda onde se percebem diferentes influências internacionais. Uma pequena ressalva é que os pratos do menu degustação vieram rápido demais, sem dar tempo suficiente entre um e outro para que os aproveitássemos. Em compensação, nossa sobremesa teve uma explosão de chocolate particularmente saborosa, perfeita para fechar com chave de "oro" a noite de chocólatras como nós.

Tête à Tête, São Paulo - 2 enguias
Cozinha: Gabriel Matteuzzi
Não é pouca coisa que, dentre as inúmeras opções de restaurantes de São Paulo, o Tête à Tête seja o único privilegiado a figurar na edição deste ano do Guia Puffin. Uma casa elegante e contemporânea como o seu menu. O chef foi pessoalmente à nossa mesa apresentar alguns pratos e falar sobre a escolha de certos ingredientes. Pode não parecer muito, mas é o tipo de cuidado atencioso que valorizamos!

Pujol, Cidade do México - 2 enguias
Cozinha: Enrique Olvera
Na terra da comida de rua por excelência, o badalado Enrique Olvera se destaca com versões requintadas (e saborosas) de clássicos mexicanos. Nossa visita ao Pujol foi uma noite de comida farta e saborosa, onde ingredientes e preparações típicas mexicanas se sucediam para encher nossos olhos (e bocas), todas elas com o toque particular de cozinheiros criativos. Destaque para os pratos acompanhados de tortillas e para as inigualáveis versões do mole poblano de Enrique Olvera - preparação esta que é renovada a cada dia e já tinha mais de três anos quando fomos ao restaurante. Um único porém: ambiente um pouco mais barulhento do que o ideal.

Kokkeriet, Copenhague - 3 enguias
Cozinha: David Johansen
Nossa ida ao Kokkeriet foi uma decisão de última hora. E foi uma das decisões mais acertadas de 2016. O restaurante funciona num endereço relativamente simples e discreto, onde somos recebidos por uma das equipes mais simpáticas que já vimos. Pedimos menu degustação harmonizado com sucos (um requinte que sempre conta pontos na nossa avaliação). Então somos agraciados com horas de uma quase interminável sequência que tem como protagonistas alguns dos melhores pratos da cozinha dinamarquesa contemporânea servidos em apresentações de encher os olhos. Tudo perfeito, digno da nota máxima na escala de enguias do Guia Puffin!

Restaurant Gordon Ramsay, Londres - 3 enguias
Cozinha: Gordon Ramsay
o chef Gordon Ramsay é, sem dúvida, a figura mais conhecida dentre os premiados deste ano e este, que é seu restaurante mais emblemático (flagship restaurant, como dizem os britânicos), é também o mais concorrido, exigindo reserva com certa antecedência. Isso faz com que a expectativa (e consequentemente a exigência) sejam maiores. O ponto é: expectativa e exigência, neste caso, são plenamente atendidas. Por fora, o endereço é discreto. Por dentro, é sofisticado sem ser extravagante. Logo fica claro que a estrela, sem sombra de dúvidas, é a comida - impecável, saborosa, inigualável, trazida e servida no ritmo ideal. Os garçons parecem uma orquestra que se move, elegantemente, em torno da sinfonia gastronômica que os comensais têm o privilégio de experimentar. No final, não resta dúvidas: três enguias e a vontade de aplaudir de pé.

quarta-feira, 2 de novembro de 2016

De carro pela Dinamarca: vídeo

Como dizem que uma imagem vale mil palavras... Aqui vai um vídeo com um pouco do que vimos na Dinamarca e que descrevi nas últimas semanas. Aí está a saída de Copenhague, as estradas dinamarquesas, a ilha de Ærø, o show da Eivør, Den Blå Planet (e os puffins)... Com um fundo de música dinamarquesa, é claro. Aproveitem!



segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Aalborg, Aarhus e a relação dos dinamarqueses com a letra 'a'

Photo: Eduardo Trindade
É verdade: ao sair de Nibe, estávamos (o Puffin, Renata e eu) em êxtase. Tínhamos assistido a um show único, com músicas lindas, e feito novos amigos. O que mais poderíamos esperar daquela viagem?
Também é verdade que tínhamos alterado o roteiro previsto justamente para acomodar o festival de Nibe (e, claro, o show da Eivør) na nossa programação. Foi assim que Aalborg surgiu em nosso caminho, literalmente: como uma cidade próxima a Nibe onde poderíamos passar a noite.
Aalborg lembra um pouco Copenhague, com ruas, avenidas e prédios num estilo parecido. Mas o que mais nos chamou a atenção foi quando nos refugiamos do burburinho urbano no Kildeparken, o parque municipal. Numa área ali dentro encontramos o Parque da Música. É uma tradição de Aalborg que músicos, ao visitarem a cidade, plantem uma árvore no parque. Assim, o lugar contém dezenas de árvores plantadas por nomes diversos, de Bryan Adams a Jhetro Tull e de Shakira ao (agora Prêmio Nobel) Bob Dylan. Mais ainda, ao pé de cada árvore há um pedestal que, além da indicação do artista e da data em que a muda foi plantada, contém um botão. Apertando-se o botão, ouve-se uma canção daquele músico. Ou seja, trata-se de um bosque em que as árvores cantam músicas de alguns dos grandes artistas internacionais! Definitivamente, o norte da Dinamarca ficará marcado em nós como um lugar bem musical!
Seguimos depois para Aarhus, a segunda maior cidade do país (300 mil habitantes). Como já estávamos voltando em direção ao sul, a viagem começava a ter um tom de despedida, de últimos dias. Mesmo assim, acabei gostando bastante de Aarhus, uma cidade bonita e fácil de se conhecer a pé, com uma interessante mistura de áreas urbanas e parques arborizados.
É em Aarhus que está Den Gamle By, uma espécie de museu ao ar livre que é simplesmente fantástico. Den Gamle By ("A Cidade Antiga", literalmente) é um conjunto de dezenas de casas históricas, muitas com séculos de idade, que foram reunidas, restauradas e mobiliadas cuidadosamente. Assim, ao se caminhar pelas ruas do complexo e entrar nas casas, tem-se a impressão de estar vivendo uma época antiga - a rigor, o complexo é dividido em três áreas que retratam períodos diferentes, o primeiro entre os séculos XVI a XIX, o segundo nos anos 1920 e o terceiro nos anos 1970. Ocasionalmente, pessoas perfeitamente caracterizadas de acordo com o ambiente passam por nós - um ferreiro, um cocheiro, um músico de realejo. Infelizmente, em alguns momentos Den Gamle By parece ter visitantes demais, especialmente quando se entra em algumas das casas mais antigas (e apertadas); mas este é um mal comum às grandes atrações.
Photo: Eduardo TrindadeE, enfim, estando em Aarhus vindo de Aalborg e tendo visitado antes Faaborg, não poderia me passar despercebida a relação dos dinamarqueses com a letra a. Ou, mais precisamente, com o dígrafo aa. O curioso é que, desde 1948, a ortografia oficial dinamarquesa estabelece que o encontro de duas letras a seja escrito como å - ou seja, o "a com bolinha" é a versão nórdica da nossa crase. Acontece, entretanto, que, embora este å seja de uso corrente desde então, cidades que historicamente tinham aa como parte do nome não gostaram da ideia da mudança. E se apegaram à grafia antiga!
Bem, depois de nossos dias na terra das letras a, a viagem estava definitivamente chegando ao fim. Só nos restava dirigir diretamente para o aeroporto de Copenhague e esperar pelo nosso voo. E é aqui que acaba entrando a última dica desta viagem, e eu diria que valiosa. Já havíamos passado algumas horas de conexão naquele aeroporto antes e, mesmo ele não sendo pequeno, a espera nunca é agradável. Pois descobri que a cerca de um quilômetro do aeroporto fica Den Blå Planet ("O Planeta Azul", e vejam aqui o å dando as caras). É o maior aquário da Dinamarca e daquela região, com várias espécies de peixes, crustáceos, moluscos e outros animais, incluindo lontras-marinhas e os inconfundíveis puffins. Uma bela maneira de terminar essa viagem de encontros, reencontros, casamento e lua-de-mel.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Eivør!

Eivør Pálsdóttir é uma cantora faroesa, dona de uma das vozes mais bonitas que já ouvi. Sim, pode ter sido o fato de ter conhecido suas músicas num lugar tão especial, e de tê-las como trilha sonora em alguns dos passeios de carro que fizemos por lá. O fato é que, desde o começo, a música faroesa me conquistou, e Eivør é um dos seus pontos altos.
Aliás, poucos lugares são tão propícios a viagens de carro quanto os países nórdicos, e nada melhor do que viajar ouvindo a música local.
Foi nesse contexto que, lá em Tórshavn, durante as últimas férias, descobri que Eivør faria uma apresentação na Dinamarca. Eu e a Renata somos, no mínimo, bastante preguiçosos no que se refere a ir a shows, temos inclusive anedotas particulares a esse respeito. Mas ambos sabíamos que Eivør era alguém que queríamos muito ver cantando e que dificilmente teríamos outra oportunidade.
Então toca pesquisar, planejar e replanejar. Não seria uma simples apresentação dela, mas sim um grande festival de música - o Nibe Festival, um dos maiores da Dinamarca. Exigiria um desvio de 200 km ao norte de onde pretendíamos ir mas, e daí? Repeti a mim mesmo: dificilmente teríamos outra oportunidade. Compramos ingressos, mudamos a reserva do hotel e, quando saímos de Ribe, nosso destino era o festival.
Acabamos não vendo nada da cidade de Nibe propriamente dita, um lugar pequeno pertencente ao município de Aalborg. Aliás, a Dinamarca andou sabiamente reformando o seu sistema administrativo, reduzindo o número de municípios de 270 para 98. Foi nessa reforma que Nibe perdeu o status de município. Bem diferente do que é comum acontecer no Brasil...
Então, enfim, o festival de Nibe. À primeira vista, não é tão diferente de outros eventos similares no Brasil - e que, tenho de admitir, estão longe de gozar da minha simpatia. Mas aos poucos fomos percebendo algumas diferenças: uma, a quantidade de famílias e crianças; outra, a educação das pessoas. Todas empolgadas com os músicos tocando no palco principal, e que não eram de forma alguma ruins. Quando chegamos, quem tocava era aparentemente algum clássico do pop rock dinamarquês; mas quem nos interessava era uma certa faroesa que iria se apresentar no palco lateral!
Quando Eivør chegou, não havia muita gente, e pudemos ficar bem perto do palco. O show começou pontualmente (mais uma diferença com relação ao Brasil).
E... Eivør é fantástica. O show é lindo, limpo, a sonoridade é absolutamente fiel às gravações. Ela canta em diferentes línguas, o que causa um dilema curioso: embora nós obviamente entendemos muito melhor as letras cantadas em inglês, tínhamos dois motivos para preferir as canções em feroês - além de a própria sonoridade da língua ser um atrativo a mais, eram as músicas que conhecíamos de antemão dos discos comprados nas Ilhas Faroe. Para quem tiver curiosidade de ouvir, é fácil achar vídeos dela no Youtube. Além disso, eu mesmo já usei música da Eivør num dos vídeos que publiquei (aqui tem a nossa canção favorita).
Mas voltando a Nibe... Não parou por aí. No meio da apresentação, um rapaz puxou assunto. Logo descobrimos que se tratava de um faroês que havia nos tomado por conterrâneos seus! Ele acabou ficando maravilhado quando contamos nossa história - modéstia à parte, não é todo dia que ele deve encontrar um casal de estrangeiros que foi até a sua terra para casar à moda faroesa e, de quebra, saiu na capa do jornal. Em poucos minutos, estávamos íntimos dele e dos seus amigos dinamarqueses.
Quando terminou a apresentação, Frode, o faroês, de repente virou para nós e lançou:
- Vocês querem falar com ela? Com a Eivør? Sim, vieram até aqui por causa dela, seria uma pena se não falassem com ela!
Eivør at Nibe FestivalE, dali a pouco, lá tinha ido ele conversar com algum segurança ou organizador do festival, depois com um dos músicos, depois com a própria Eivør, com a naturalidade que a gente mal consegue ter na nossa própria casa. Gesticulava, apontava para nós, logo começou a nos chamar.
Estávamos cara a cara com a Eivør.
Assim, inesperadamente, nem soubemos o que dizer! Pouco mais que o óbvio, apenas, mas consola-nos saber que ela deve ter se sentido prestigiada por ter dois fãs vindos de tão longe.
No final, o dia passou rápido. Quando percebemos, estávamos seguindo até Aalborg, onde iríamos pernoitar, como se tivesse sido tudo um sonho - lá estava a música de Eivør saindo pelo auto-falante do carro, mas o CD estava autografado e tínhamos novos amigos na lembrança e histórias para contar na bagagem.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

De carro pela Dinamarca: Ribe e Vejle

Da ilha de Ærø, seguimos para a Jutlândia, a península que concentra a maior parte da Dinamarca em termos de área. A travessia, mais uma vez, fizemos num dos confortáveis ferries dinamarqueses.
Chegamos assim à pequena cidade de Ribe, a mais antiga do país. O centro pode ser facilmente percorrido a pé. Mesmo assim, ficamos com a sensação de não ter dedicado tempo suficiente a Ribe. Sim, andamos pela acolhedora rua principal. Cruzamos uma antiga ponte sobre o rio. Atraídos pela vitrine, entramos numa convidativa padaria. Vimos a grande catedral (a igreja mais antiga de toda a Dinamarca) e as ruínas vikings.
Por outro lado, muito do que vimos foi rapidamente, sem o tempo adequado que cada detalhe pede para apreciá-lo, digeri-lo ou torná-lo familiar. Assim: não vimos o interior da igreja; não visitamos o museu viking da cidade; não fomos ao parque natural de Wadden, que fica perto, mas demandaria tempo para ser explorado.
De Ribe, seguimos para Vejle, no lado oriental da península. Ao contrário de Ribe, Vejle tem ar de cidade grande (embora, com 100 mil habitantes, seja grande apenas para os padrões dinamarqueses) e arquitetura mais moderna. Daí que a passagem por lá acabou sendo interessante como forma de sair um pouco do roteiro de cidades pequenas e pitorescas que vínhamos fazendo há alguns dias. Mas também não tivemos muito tempo em Vejle, apenas o suficiente para caminhar pelo centro e almoçar. Embora viéssemos rodando mais ou menos à toa (como boas férias merecem), tínhamos um objetivo bem especifico de estar no extremo norte do país antes do final do dia. Motivo esse que é assunto para o próximo capítulo!

terça-feira, 6 de setembro de 2016

Os Jogos Olímpicos dentro de casa

De certa forma, este blogue nasceu por causa dos Jogos Olímpicos - precisamente em 2008, quando fui à China para conhecer o país e acompanhar de perto o evento de Pequim. Daí seria natural falar, agora, dos jogos do Rio de Janeiro.
Bem, para começar, preciso dizer que muito do que envolve a cidade costuma despertar em mim emoções intensas e contraditórias. A Olimpíada do Rio foi boa? Sim, foi muito boa. Poderia ter sido incrivelmente melhor? Sem dúvida.
Ver tanta gente diferente, dos mais diversos cantos do planeta, é sempre fascinante. E os Jogos Olímpicos são perfeitos para isso, ainda mais que a Copa do Mundo. Acho que nenhum outro evento reúne tantos participantes e espectadores de praticamente todos os países. Esse é, sem dúvida, o ponto alto. E assim, talvez influenciados pela nossa recente viagem a terras nórdicas, a Renata e eu assumimos uma forma um tanto faroesa de acompanhar os jogos: escolhíamos sempre um time ou atleta de nossa simpatia e torcíamos ferrenhamente por ele, mesmo que não fosse brasileiro e não houvesse brasileiro algum em ação. Qualquer detalhe vale para um país conquistar nossa simpatia: que seja terra de gente querida; que tenhamos visitado anteriormente; que tenha uma história inspiradora; que não tenha tradição no esporte; que tenha cores bonitas, ou um hino bonito... O importante é se envolver. Sou da opinião de que é muito mais divertido acompanhar qualquer esporte quando se tem alguém para torcer!
Isso acabou acentuando o contraste (e o choque): enquanto a atitude entre as torcidas estrangeiras era, invariavelmente, de respeito e de amizade, o lado brasileiro era marcado por algumas atitudes desrespeitosas, egoístas, agressivas e barulhentas. Nem preciso citar a polêmica das vaias durante os jogos. Mesmo que não fossem as vaias, a quantidade de gente se levantando durante as partidas, furando filas nos intervalos e gritando e xingando o tempo todo era constrangedora. Uma pena.
Mas não nos deixamos abater por isso, nem pelo fato de que a maioria das instalações ficava realmente longe do centro. Fomos, vimos, torcemos, perdemos e vencemos. Presenciamos momentos emocionantes, como decisões nos últimos segundos no handebol e na vela. Na natação, levamos nosso puffin e ele mais uma vez roubou a cena. Vimos gols, defesas, saltos, corridas, braçadas, pódios, bandeiras, lágrimas e júbilo. Como tem de ser uma boa Olimpíada. Isso posto, quem esperava um desastre viu um grande sucesso, e o fato de que o país, com sua conturbada situação econômica e política, tenha feito o maior dos eventos no pior dos momentos não é pouca coisa. Nesse ponto, palmas para nós.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

A ilha dos casórios e o Grande Schnauzer

Ao chegar à ilha de Ærø, tivemos instantaneamente a certeza de estar num lugar idílico, talvez um dos mais bonitos de toda a Dinamarca. A ilha tem pouco mais de 30 quilômetros de ponta a ponta e pouco menos de 10 mil habitantes no total. Percorrê-la é atravessar campos de trigo avistando lebres e coloridos faisões. Mas a parte mais pitoresca talvez seja mesmo as casas antigas e bem conservadas de vilas como Ærøskøbing.
Aliás, nossa acomodação em Ærøskøbing por si só já foi bem curiosa, pois chegamos e o dono estava literalmente de saída: instalou-nos no melhor quarto, entregou-nos a chave da pousada e despediu-se de nós apressadamente, pois tinha de pegar o barco. Alugáramos um quarto e acabamos ficando com o prédio inteiro para nós!
Logo descobrimos outra particularidade sobre a ilha: Ærø é conhecida como a ilha dos casamentos, alguns a consideram uma espécie de "Las Vegas europeia"! Constatar isso foi bastante curioso, até porque nós mesmos tínhamos acabado de nos casar. Em Ærø, eles têm agências especializadas em organizar os casamentos, incluindo viagem, cerimônia, recepção e papeladas, e tem-se a impressão de que a todo momento está acontecendo um casamento em algum ponto da ilha. As igrejas tocavam o sino e nunca tínhamos certeza se estavam apenas chamando para a missa ou se tratava de mais um casamento!
Outra particularidade de nossa passagem pela ilha - esta, longe de ser exclusividade de Ærø - foi o encontro com o Grande Schnauzer. "O Grande Schnauzer" é como chamávamos Netto, a rede de supermercados dinamarquesa que tem como símbolo justamente um cão schnauzer. Dado que nossa pousada tinha uma cozinha nova e bem equipada, ir ao supermercado comprar ingredientes para cozinhar nossa própria comida acabava sendo um programa bem convidativo. Mas não foi só em Ærø que fizemos isso: em outras cidades também buscávamos onde nos abastecer, principalmente com o insuperável iogurte de laranja local, e quando víamos o simpático cachorrinho já corríamos para ele: o Grande Schnauzer!

domingo, 14 de agosto de 2016

De carro pela Dinamarca: Faaborg e o castelo de Egeskov

A ideia original era ir de Odense até Faaborg, mas não resistimos a uma passagem por Egeskov, que fica a meio caminho entre as duas cidades. O atrativo de lá é o castelo de Egeskov, que chama a atenção por ser muitíssimo bem preservado, além de bonito, com elementos góticos e renascentistas que, no fundo, têm tudo a ver com a imagem que temos dos castelos de cinema.
A história do castelo é interessante. Construído originalmente para defesa de seus moradores, foi reformado e transformado em museu pelos donos mais recentes: para sorte dos visitantes, vale mais a pena abrir as portas e cobrar ingressos do que manter o castelo fechado. Mesmo que o investimento com as instalações não tenha sido, de forma alguma, pequeno! Mais do que o castelo em si, o complexo contempla um verdadeiro parque com jardins, árvores, espaços para jogos ao ar livre e diferentes (e sofisticados) museus. Dá para passar facilmente um dia inteiro lá. Vimos muita coisa e, ao consultar a página do castelo na Internet, ainda descobri que deixamos de lado muitas outras atrações. De qualquer forma, merecem destaque as coleções de veículos antigos (carros, motos, bicicletas e até aviões), brinquedos, roupas, objetos... E o castelo propriamente dito, é claro. Um castelo desses, cercado de água e de verde, enche os olhos de qualquer um.
Saindo de lá, rumamos para Faaborg, uma pequena cidade e porto no sul da ilha. O centro da cidade é compacto e repleto das casas antigas e bonitas que (estávamos descobrindo) se encontram em praticamente toda a Dinamarca. A verdade é que, tendo nos concentrado em passear pelo complexo de Egeskov, não tivemos muito tempo em Faaborg. Mas a cidade também é um ponto de partida para a travessia, em barco, até a pitoresca ilha de Ærø. Que é história para o próximo capítulo.

quinta-feira, 28 de julho de 2016

De carro pela Dinamarca: primeira parada, Odense

A dimensão do país, a geografia plana e as estradas impecáveis e bem sinalizadas fazem da Dinamarca um lugar excelente para se conhecer de carro. Foi o que fizemos durante uma semana (tempo que, se fosse mais longo, teria nos permitido conhecer o país melhor e com mais calma, mas é o que tínhamos), saindo de Copenhague para visitar o interior do país.
Aliás, interior é modo de dizer, pois não há uma separação clara entre uma faixa litorânea e o interior continental. A Dinamarca é composta por uma península, a Jutlândia, e um complexo arquipélago interligado por inúmeras pontes e travessias de ferries. Copenhague fica numa das ilhas (a Zelândia), já bem próxima da Suécia. De lá, não seria difícil chegar ao extremo oposto do país com algumas horas de carro. Sair da Zelândia em direção à Fiônia já é espetacular, pois as duas ilhas são ligadas por um complexo de pontes impressionante que inclui o maior vão livre da Europa.
Fazendo a travessia, chegamos a Odense, terceira maior cidade da Dinamarca, que fica no coração da Fiônia. Apesar de grande para os padrões dinamarqueses, Odense, no Brasil, seria considerada uma cidade média. O mais legal da cidade (cujo nome é uma referência ao deus nórdico Odin) é que ela é a terra natal de Hans Christian Andersen, o pioneiro dos livros infantis. Referências ao autor, que nasceu numa família pobre e aparentemente conseguiu ascender graças ao seu sucesso com a pena, estão por toda parte. Pegadas amarelas cruzando o centro de Odense levam a pontos notáveis na biografia e na bibliografia de Andersen. Lá estão duas das casas em que ele morou quando criança, hoje ambas transformadas em museu e muito bem conservadas. Uma delas, aliás, é hoje parte de um complexo maior inteiramente dedicado ao autor. Espalhadas pela cidade também estão diversas esculturas representando Andersen ou alguns de seus personagens mais famosos.
Independentemente de gostar da obra de Andersen (a verdade é que muitos de seus contos seriam considerados trágicos demais para as crianças de hoje, acostumadas às versões mais açucaradas da Disney), o passeio rendeu algumas descobertas interessantes. Como o fato de que o personagem que conhecemos por Soldadinho de Chumbo é, no original, um soldadinho de estanho. A verdade (num daqueles fascinantes casos de influência da química na história e na língua) é que ligas de ambos os metais foram usadas na fabricação dos brinquedos, apresentando cada um diferentes períodos de apogeu e declínio. Quando começaram a ser feitos, na Alemanha e logo na Inglaterra, usava-se estanho - daí na língua inglesa ter se popularizado tin soldier e, no dinamarquês de Andersen, tinsoldat. Mais tarde, brinquedos deste tipo começaram a ser feitos na França a partir de chumbo, que então era mais barato por aquelas bandas. O resultado é que as línguas latinas adotaram soldat de plomb (francês), soldadito de plomo (espanhol), soldadinho de chumbo e suas variantes. O que é curioso, já que, para a criança, realmente o importante era o brinquedo e não a matéria-prima de que ele era feito (e à qual retorna o soldadinho, no conto). O fato é que assim, seguindo pegadas, descobre-se muitas histórias em cada história.