sexta-feira, 2 de fevereiro de 2024

Um país chamado Belize



Um país pequeno e pouco povoado bem no meio da América Central, entre o continente e o Caribe. Um lugar que há não muito tempo era uma colônia chamada de Honduras Britânicas - o que supõe um torcicolo etimológico, dado que as “funduras” (profundezas) de Honduras estão no Pacífico, mas Belize só tem costa no Atlântico.

O antigo nome tomado de empréstimo (e que no original, British Honduras, é uma mistura de duas línguas), curiosamente aponta para uma das características marcantes do povo de Belize: a diversidade de culturas. São diferentes etnias, línguas e biotipos convivendo em graus variados de miscigenação e sobreposição. A população negra é maioria no litoral e a ameríndia, no interior. O inglês é a língua oficial e mais falada, seguido de perto pelo espanhol. Também ouvimos distintamente crioulo belizenho, maia e garífuna. Aparentemente todos com quem conversamos são bilíngues ou mesmo trilíngues. Seria Belize a Suíça dos trópicos?

Não em termos de infraestrutura. A de Belize é um tanto precária: casas e vilas extremamente simples (a capital, Belmopã, lembra a menor das cidades do Interior do Brasil), estradas esburacadas (mas com ônibus relativamente frequentes)… E floresta por todos os lados! Dificilmente se está longe do mato, ocasionalmente se está cercado por ele e pela sua fauna. Durante o dia vê-se uma quantidade inacreditável de aves, bugios e outros animais. À noite, o som dos mesmos embala o nosso sono, mesmo na cidade.


No meio da floresta, aqui e ali, ruínas maias. A imagem destas em meio ao verde, com o entrelaçamento das pedras com as raízes das árvores, é de tirar o fôlego. A Guatemala provavelmente tem mais sítios maias, mas em Belize parece que eles estão mais concentrados.


Também no meio da floresta, cavernas, rios e a mistura de ambos (ou seja, rios que correm dentro de cavernas). A natureza foi realmente pródiga aqui. Ainda mais considerando que isso tudo é apenas metade do país: há o mar com suas centenas de ilhas, a maior barreira de corais da América e toda a vida marinha que circula em torno dela. Esta merece toda uma outra viagem (voltada para o mergulho). Diferente, mas de certa forma semelhante: se o azul do Caribe guardar tanta variedade de vida quanto o verde da selva, estaremos bem servidos.

Nenhum comentário: