segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Lugares turísticos

A Grande Muralha
Estou devendo minhas impressões sobre a Grande Muralha. Pois eu ainda não encontrei as palavras certas para descreve-la: eh magnifica! Hen piaolia, como dizem aqui! Este dia foi um dos pontos altos da viagem até agora. E não só pela Muralha em si, mas também pelas pessoas que tive oportunidade de conhecer.
Eu tinha medo de que estivesse simplesmente cheio de turistas e que fosse um passeio "artificial". Para evitar isso, a primeira dica era fugir de Badaling, o trecho mais perto de Pequim (e o mais visitado). Pois eu fui além: escolhi um passeio cujo foco principal passava longe das lojinhas de suvenires: um trecho íngreme de uns 10 km a ser percorrido em 4 h, a uns 80 km de Pequim.
E foi mesmo muito bom! Estava relativamente deserto, e o tempo também ajudou - foi o único dia até agora em que não fez um calor escaldante. No mesmo grupo que eu, gente de vários países - França, Inglaterra, Austrália, EUA, Alemanha etc. O grupo se espalhou ao longo do percurso, mas alguns seguiram juntos. Lá pelas tantas, ganhei a companhia de uma senhora da Mongólia Interior (ou seja, uma chinesa de etnia mongol) que vendia suvenires. Tivemos uma conversa muito interessante, ela me falou sobre a Mongólia, a família dela, a Muralha, e ainda me ensinou algumas palavras em mandarim.
Uma curiosidade é que varias das torres da Muralha são usadas pelos locais como local de descanso ou até mesmo de piquenique...
Ah, de quebra, andei de teleférico (para chegar até a Muralha) e de tirolesa (para descer dela). Confesso que quase preferi fazer a descida a pé, ao invés de me jogar com a tirolesa, mas tomei coragem e foi bem divertido.
Voltei cansado, mas satisfeito, e cheio de fotos. As fotos eu acho que só vou ver quando voltar ao Brasil... Ah, e é claro, cheio de histórias, também!
O Exército de Terracota
Xi'an, comparada a Pequim, é mais cinza, mais pobre e um pouco menos agradável. O Exército de Terracota também me decepcionou um pouco. Não que não tenha valido a pena - se eu tivesse ficado em Pequim, teria morrido de vontade de vir para cá. O Exército de Terracota é, sim, impressionante. Acontece que o passeio (ao menos o passeio que eu fiz) é pasteurizado para turistas que se satisfazem em tirar fotos-cartão-postal e comprar chaveirinhos de lembrança. Senti falta da sensação de liberdade que tive ao andar na Muralha com aquela imensidão deslumbrante à minha volta. Isso não era possível aqui - o exército de Xi'an está numa espécie de enorme museu. Um grande galpão que protege as estátuas de intempéries. E com turistas se acotovelando por uma foto. Possivelmente uma bela foto. Na saída, vendedores de bugigangas disputando os dólares dos visitantes. É, pensando bem, aqui eu não teria mesmo como encontrar a brisa que eu respirei no alto da Muralha...

4 comentários:

rejane disse...

Quanta experiência linda!! Não vejo a hora de ouvir todas essas histórias pessoalmente, e ver todas essas fotos!!
Beijos!!!

jéssica disse...

Confesso q o mais impressionante de tudo isso é tu contar q andou numa tirolesa... hehehehhehehe
Tua expectativa com o exercito devia ser muito grande... e eu tb nao gosto de quando esta tudo muito lotado, atrolhado, isso tb decepciona um pouco.
Voltei do trabalho agora. O inter ta uma nheca, e o pior é q o gremio ta indo de vento em popa... vai entender. Estou planejando umas viagens, quando tu voltar quero muito conversar contigo, q é um cara viajado (ve-se bem aqui) pra ter umas dicas.
Aproveita ai, cuidado com a pimenta da Índia, dizem q o sem pimenta ja é super apimentado...
Bjsssss

Renata Teixeira disse...

Eu acho que você me deve um pote de Häagen-Dazs, afinal já tinha treinamento quando me desafiou... Preciso me certificar dos meus direitos!
Eu acho que me lembro da história da senhora da Mongólia Interior, foi ela quem te vendeu um livro sobre a muralha?

Eduardo Trindade disse...

Correção: eu é que fui desafiado! Não houve coação alguma a respeito do humilde pote de Häagen-Dazs!
Isso dito, a Muralha não é para qualquer um; é coisa de Guerrero Ninja Americano!
Sim, eu te contei sobre essa senhora mongol, comprei um livro dela lá!