segunda-feira, 26 de abril de 2010

Suvenires: hulusi, a flauta chinesa

Há algum tempo sinto vontade de falar sobre os suvenires de viagem que tenho guardado. Sendo um coisista compulsivo (o termo, até onde sei, é do Neruda, patrono dos coisistas), material não falta. O difícil talvez seja escolher por onde começar; sinto que o assunto rende não uma crônica, mas uma coleção completa delas.
Começo divagando, explicando que não gosto muito da palavra suvenir. No dia-a-dia, costumo falar lembrança, ou mesmo recordação, mas tanto uma quanto outra têm o inconveniente de não deixar claro se nos referimos àqueles objetos que trazemos de determinado lugar ou situação ou da própria sensação que eles nos evocam. Fiquemos, pois, com a palavra suvenir, que é a pequena lembrança material, símbolo daquela outra lembrança maior, imponderável.
Um desafio é trazer suvenires que fujam do óbvio. Verdade que, muitas vezes, os objetos mais prosaicos já me dão um prazer imenso. Mas, ah, aqueles que são originais, seja pela criatividade ou pela história que guardam, são incomparáveis!
Então vamos lá: eis a hulusi, uma espécie de flauta tradicional chinesa praticamente desconhecida no Brasil, mas não muito difícil de encontrar por lá. Tem um som doce e levemente anasalado e não é um instrumento complicado - tanto que até eu, com limitados dotes musicais, consigo me arriscar razoavelmente a tirar alguns sons dela.
Encontrei algumas hulusi em diferentes cidades da China, desde as mais simples, de plástico, para crianças, às mais sofisticadas. E gostei mesmo desta, feita de bambu e porongo entalhado (sim, porongo, quem diria!) com um bocal de osso. Adquiri-la foi toda uma divertida experiência: pus à prova minhas habilidades de pechinchador no mercado de Panjiayuan, em Pequim. Mesmo normalmente não gostando de pechinchar, na China é quase impossível não fazer isso. Pois fiz, e saí orgulhoso com minha compra a um preço razoável depois de muito regatear.
Outro ponto curioso é que qualquer estação de metrô de lá, talvez por causa dos Jogos Olímpicos, tinha uma forte segurança, com detectores de metais e guardas austeros. Que, ao me ver com aquele estojo a tiracolo, invariavelmente ficavam ressabiados e perguntavam o que eu estava levando. Quando respondia que era um instrumento musical, as reações eram divertidas, com a seriedade muitas vezes deixada de lado em troca da deferência a quem, como chegaram a dizer, atravessara meio mundo para levar consigo um pouco daquela cultura.

4 comentários:

Débora Oliveira disse...

Ah! Flauta é meu instrumento preferido em todo o mundo. E você me deixou hiper-mega curiosa pra ouvir o som da 'hulusi'. E agora, como faz?

carla m. disse...

Ah, eu também sou uma coisista. Mas como me ensinou Neruda, nem sempre guardo só coisas das viagens. às vezes, compro coisas em lugares de minha própria Porto Alegre para lembrar de dias e acontecimentos.

Mas invejo quem viaja e traz coisas. Masi por terem "lembranças" que pelas coisas, entende?! Desculpe, mas invejei profundamente a tua hulusi, rsrs.

Eduardo Trindade disse...

Achei aqui para vocês (e o que é que não se acha na Internet?):
http://www.youtube.com/watch?v=m93OSw91mfs
No YouTube tem este e outros vídeos em que se pode ter uma noção da hulusi.
Quanto à lembranças, guardo de vários tipos, em particular da minha querida Porto Alegre, claro! Mas como a intenção aqui é falar de viagens e lugares exóticos...
Abraços!

Fê Costta disse...

Olá Eduardo!

Muito legal esta flauta! Eu também tenho uma coleção de suvenires, mas particularmente prefiro algo que remeta imediatamente ao lugar visitado, logo, sempre trago miniaturas de monumentos dos quais conhecí e quando não os encontro, trago algo que traduza a identidade do lugar. :)

Abraços,