quarta-feira, 8 de abril de 2009

Uruguai, terra da Banda Oriental


Trilha sonora para esta crônica: Mi país, Rubén Rada

Eu era criança e viajávamos todo ano para o Uruguai. Cerca de meio dia na estrada entre Porto Alegre e Montevidéu. Muitas vezes, tínhamos a companhia das aves que voavam em bando, numa formação em V que me fascinava. Cortavam o céu, acompanhavam a estrada durante horas. Viajavam – daí a formação em V de viagem.
Eu, na verdade, não tinha consciência disto tudo. Mesmo cruzar a fronteira era um ato simples, que parecia não exigir esforço. Tal era a impressão causada, sobretudo, pela familiar recepção que tínhamos do lado de lá por aquela gente a cujo modo de falar eu logo me acostumei.
Até hoje tenho em Montevidéu amizades duradouras e sinceras. Como não se sentir em casa junto daquelas pessoas?
Tudo isso fez com que eu conhecesse um Uruguai que não era um país de guias turísticos, monumentos, cartões-postais. Até porque criança não repara nessas coisas. O meu Uruguai foi, desde sempre, um país que se revelava nos detalhes. Nas colheradas de doce de leite que eram oferecidas a nós, crianças. Nas fatias de goiabada. Nos trólebus que cortavam as avenidas do centro. Nos brinquedos do Parque Rodó, o parque de diversões da cidade. Nas nossas brincadeiras de criança, nós que corríamos pela rambla (a avenida litorânea) enquanto os adultos mateavam olhando para o rio. Nos sonhos de singrar o rio, que mais parecia mar, a bordo daqueles navios que zarpavam do porto. Nas visitas à livraria que mais parecia um mundo.
As primeiras e mais emocionantes incursões a livrarias de que me lembro foram todas em Montevidéu. Havia lá um grande sebo aonde minha mãe costumava me levar. Na minha memória, ficávamos lá durante horas. Enquanto ela garimpava Agatha Christie, eu descobria Júlio Verne, A Ilha do Tesouro, Sherlock Holmes... Aí nasceu meu gosto pela leitura: com estes livros, escritos em espanhol, naquela época em que aprendi que ler era fácil e divertido. Phileas Fogg, o capitão Nemo, o misterioso pirata da perna-de-pau eram companhias que eu poderia ter à hora que quisesse, sempre ao alcance da mão.
As estradas do Uruguai, estradas da minha infância, com o tempo foram ampliando horizontes. Elas me levaram a Punta del Este, onde a contemplação extasiada dos iates na marina começou a me convidar ao mar. Sonhava navegar, sonhava ao menos lançar mensagens enroladas no interior de uma garrafa. Quem as leria? A mensagem na garrafa seria não só uma viagem no espaço: seria uma viagem no tempo. Outra pessoa, de outra idade, em outra cidade, a receberia. Responderia?
As estradas tomam rumos diversos. Em minha última viagem à Banda Oriental, em 2006, meus olhos já eram mais de turista e menos de criança do que eu gostaria. O que não faz o tempo... A lembrança de tudo estava lá, mas o coração, já adulto, apesar das férias vivia algumas preocupações que não teriam cabido na criança. Pena é que demorei a me dar conta disto. E esse Uruguai que segue no meu roteiro de sonho, desde então não retornei para lá. As garrafas com mensagens? Bem, acho que o plano original evoluiu um pouco. Não lanço garrafas de qualquer tipo. Mas mensagens todos nós deixamos, e quem seguir meus passos encontrará exatamente isso – passos a serem seguidos ou não. Caminhos, alguns prontos, mas a maioria ainda por fazer. De sonhos, de palavras, de histórias.
Fotografia: eu e meu irmão em Montevidéu, 2004.

9 comentários:

rejane disse...

Ah.. como é bom viajar nas tuas palavras... viajar no tempo e no espaço... saber o que aquele gurizinho sentia quando o levava naqueles lugares que eu tanto gostava... muito, muito bom!!!

brasileirinha disse...

SERÁ QUE ESTE SEBO AINDA EXISTE!
FELIZ PÁSCOA. LUZ NO CORAÇÃO SEMPRE PARA ASSIM PODERES SEGUIR DE MANEIRA POSITIVA E COERENTE.

C. disse...

Peguei gosto pela leitura com Júlio Verne; vc é o segundo que vejo tb.

Cada época traz a sua sensação, e como vc bem disse, quando criança as preocupacoes da vida nao faziam parte do olhar matreiro do menino que viajava para o Paraguai. E decerto muito menos com assaltos na estrada para lá, assaltos na ponte... enfim.

Quem sabe com a cabeça mais leve, percebemos todas as ´viagens` e passagens da vida com mais sabor. Quem sabe.

Uma bela páscoa, que seus sonhos renasçam. É a chance.

Cristina

C. disse...

Guri, desculpe, troquei Uruguai por Paraguai, que desatenção, bah tchê!

Eduardo Trindade disse...

Obrigado, pessoal, pelas palavras!
O sebo parece que ainda existe, sim. Nào é difícil para mim descobrir isso. Mas realmente não sei dizer quando nem porque parei de frequentá-lo... Aí está algo interessante de fazer em minha próxima visita - que eu espero que não demore muito!

Múcio L Góes disse...

flw, Eduardo... vlw a força! acho q no meu caso foi sorte de conhecer pessoas do meio, e q gostam da minha letra, enfim.

li teus textos, e q "inveja", velho, viajar eh meu grande sonho... Paris, Pequim... =]

sim, só terei livros disponiveis na volta, mas te aviso, ta?

abração!

carla m. disse...

Como não amar o Uruguai?! Los orientales siguem los mas alegres vecinos!!!

Adorei teu blog e muito obrigado pela visita. vou voltar aqui com certeza!!!

Santiago disse...

Olá Eduardo:

Um abraçao de um uruguaio para vocé. Gratamente surpreendido pelo amor que vocé tem pelo Uruguai. Por contra, eu adoro Brasil e gostaría morar lá.
Abraço
Agora eu vou ler teus posts.

Rouxinol disse...

Descobri! Descobri a sua "melhor livraria do mundo"... :)

(Quanto às mensagens em garrafas, parece que você vem fazendo um bom trabalho, não?)